Reinaugurada capela restaurada por jovens da CASA Pirituba

Jovens que participaram da restauração receberam certificado de qualificação profissional

sex, 22/04/2011 - 14h00 | Do Portal do Governo

Uma cerimônia religiosa na última quarta-feira, 20, marcou a reinauguração da Capela Santa Cruz de Pirituba, restaurada durante pouco mais de dois anos pelos adolescentes internados na CASA Pirituba, na Capital paulista. Na ocasião, houve ainda a entrega dos certificados aos 40 jovens que participaram do curso de restauração promovido pela Escola Paulista de Restauro (EPR), em parceria com a Fundação CASA.

Durante a cerimônia, que contou com a presença de funcionários da CASA e de familiares dos adolescentes, foi realizada uma oração em homenagem aos jovens. “Que essa oportunidade restaure o que há de bonito dentro de cada um desses jovens”, disse o padre José Bento Batista. “Todos nós somos capazes de fazer coisas ruins, mas também de fazer coisas belas como essas”, completou.

No curso, os jovens tiveram aulas teóricas de fotografia, levantamento métrico arquitetônico, identificação de materiais e diagnóstico de patologias, prospecção arquitetônica e pictórica, elétrica e drenagem, dentre outros temas. Todo o conteúdo aprendido na sala de aula era exercido na prática durante o processo de restauração da capela. Cada turma teve duração média de três meses.

Para o arquiteto e coordenador da Escola Paulista de Restauro, Francisco Zorzete, há uma carência de profissionais qualificados na área de restauração e conservação do patrimônio histórico, o que pode facilitar uma inserção mais rápida dos jovens da CASA Pirituba no mercado de trabalho. “Falta mão de obra especializada na área de restauro, pois é um trabalho mais manual e artístico. O curso será um diferencial para eles no mercado de trabalho”, acredita Zorzete. Ele conta que os adolescentes participaram de todo o processo, desde a pesquisa que possibilitou conhecer as características originais da capela até a finalização da obra.

A oportunidade de que fala Zorzete foi percebida pelo jovem José (nome fictício), de 17 anos, há nove meses na CASA Pirituba. Ele diz ter se “encontrado” no curso, quando descobriu sua vocação. “Antes do curso, eu não sabia o que fazer da vida. Hoje sei o que quero: vou trabalhar para poder pagar meus estudos e fazer uma faculdade. Quero ser engenheiro de obras”, diz.

Ramiro (nome fictício), de 18 anos, também há nove meses na CASA, foi considerado um dos melhores alunos do curso e diz querer seguir a profissão. “O que eu mais gostei de fazer foi folhear a ouro as esculturas. É bem interessante. Foi uma porta que se abriu para mim”, conta. Já o adolescente Breno (nome fictício), de 20 anos, que participou do processo desde o início, diz ter mudado durante o curso e que hoje aprendeu a pensar no coletivo. “Antes não queria saber de nada, só de destruir o que existia na sociedade. Hoje penso mais no coletivo”, revela.

A restauração arquitetônica da capela, localizada dentro dos limites da unidade e pertencente à paróquia de Nossa Senhora da Expectação (da Freguesia do Ó), começou em janeiro de 2009. A capela, construída em 1894, encontrava-se em péssimas condições de conservação.

Para saber sobre o curso de restauração ministrado na CASA Pirituba, acesse oblog.

Da Fundação CASA